DG

blogger com Doses na medida certa sobre gestão, finanças e empreendedorismo para administradores e gestores

DG

FORMAR BEM O PREÇO DE VENDA PARTE 02

Continuação de 05 coisas que você deve saber antes de empreender

Salve galera, estamos de volta para continuar falando sobre a importância de formar bem o preço de venda ao iniciar um novo negocio.

Conseguiram perceber como é importante pensar no preço do seu produto ou serviço, dedique um pouco do tempo neste item, segue algumas dicas simples para empreendedores iniciantes, comece fazendo uma pesquisa de mercado observando se existe concorrentes  com produtos iguais ou similares,  veja  quais preços são praticados, converse com pessoas próximas, questione se elas estão dispostas a pagar por aquele produto o valor monetário que é comercializado atualmente. Desta forma, você vai perceber que para conseguir obter uma participação do mercado seus preços devem estar próximos do adotado pela concorrência.

Ficou claro que os Aspectos Mercadológicos são variáveis fora da empresa, estes fatores externos influenciam diretamente a tomada de decisão do empresário, por isso ele deve estar muito atento ao que está acontecendo no mercado para que ele consiga preparar sua empresa ser atraente para o consumidor e competitiva frente a concorrência.

Caso o produto ou serviço seja algo totalmente novo e ainda não é comercializado, cabe então analisar se existem similares ou parecidos. Se de não fato existir, seria prudente mesmo assim fazer pesquisas, ver até quanto seus possíveis clientes pagariam, faça de forma simples pergunte para pessoas mais próximas quanto elas desembolsariam pelo seu produto, qual a percepção de preços versus valor, isto é muito relevante, questione se o preço pago é compatível com o valor percebido. Assim, você vai compreender que em algum momento o mercado vai determinar o preço de venda deste produto.

Vamos tratar agora do Aspecto Financeiro,  e este como poderia dizer é de foro intimo, enquanto os aspectos mercadológicos é da porta pra fora e a empresa não tem controle, este é da porta pra dentro, é interno, está relacionado aos desembolsos financeiros que a empresa realiza,  neste momento se faz necessário muito planejamento  e compreender todas os fatores relacionados, pois a empresa deve vender seus produtos de acordo com o aceitável e este deve ser suficiente para cobrir, todos seus custos, despesas e fornecer o lucro desejado.

A palavra chave que posso citar aqui é equilíbrio, imagine equilibrar o que se faz lá fora no mercado com o que se pratica dentro da empresa, assim para formar preço de forma correta o investidor deve conhecer muito bem seus  gastos,  saber diferenciar dento desses gastos o que são custos e despesas e entender que eles também se dividem em fixos e variáveis, para facilitar sua vida vou recorrer ao SEBRAE que explica de forma sucinta sobre custos e despesas.

Custos do produto. Os custos referem-se aos gastos efetuados com
materiais e insumos (na produção do bem, no caso da indústria), aquisição do produto (no caso do comércio) ou realização dos serviços.  

Despesas variáveis. São aquelas que variam proporcionalmente ao volume produzido ou ao volume vendido, ou seja, só haverá despesa, se houver venda ou unidades produzidas. Exemplo: comissões sobre vendas, impostos.  

Despesas fixas. São aquelas cujo total não varia proporcionalmente ao volume produzido (na indústria) ou ao volume de vendas (comércio e serviço), ou seja, há despesas a serem pagas independentemente da quantidade produzida ou do valor de vendas. Exemplo: aluguel, honorários de contador, seguro da empresa, salário dos funcionários, entre outros.

Custos variáveis São aqueles que variam diretamente com a quantidade produzida ou vendida, na mesma proporção.

Exemplo: Em uma indústria de móveis, são produzidas, por mês, 250 cadeiras. Para a produção, é contratada mão de obra temporária, que varia de acordo com a empreitada. O pagamento é feito também por trabalho. Como estas produções exigem maior gasto de energia, quando a produção aumenta a conta de energia sobe 40%. Este percentual é um exemplo de custo variável.

Custos fixos São os gastos que permanecem constantes, independente de aumentos ou diminuições na quantidade produzida e vendida. Os custos fixos fazem parte da estrutura do negócio.

Exemplos:
Contas de água;
Aluguel;
Material de limpeza;
Salários.
Fonte: Sebrae.com.br

Compreender que os aspectos financeiros podem reduzir ou aumentar sua margem de lucro é essencial, isso é muito comum observarmos no mercado alguém dizer, “não consigo entender porque meu concorrente consegue vender a um preço muito abaixo do que eu consigo”, agora cabe ressaltar que possivelmente sob a ótica do aspecto financeiro, a resposta pode ser simples, ele deve ter custos e despesas menores que os seus, o mesmo aconteceu comigo na experiência que venho relatando, meu concorrente tinha despesas menores que as minhas e conseguia praticar valores mais competitivos.

Para facilitar o entendimento sobre a importância do tema, vou usar como exemplo prático uma consultoria que realizei em uma pequena empresa anos atrás. Este empresário do ramo de calçados solicitou auxilio na formação de preço dos seus produtos, ele me relatou que comprava um sapato a R$ 50,00 e ao realizar o cadastro deste item no sistema ele lançava segundo ele uma margem de lucro de 100%, logo ele vendia este produto a R$ 100,00. Até aqui tudo muito parecido com o que é praticado no mercado.

Ainda de acordo com o empresário, sua empresa estava enfrentando dificuldades financeiras, não conseguia pagar fornecedores, funcionários e outras obrigações em dia, questionei se ele conhecia seus custos e despesas, se considerava estes na hora de formar o preço de venda, o mesmo me disse que não. Indaguei sobre os descontos concedidos, o mesmo relatou que no momento da venda autorizava até 50% de desconto dos seus produtos.

Fazendo uma conta simples, o preço de venda do sapato R$ 100,00 concedendo um desconto de até 50%, o preço caia para R$ 50,00, os mesmos R$ 50,00 que ele pagou para o fornecedor, ou seja ele não estava tendo lucro algum, praticamente comprava e vendia pelo mesmo preço, o resultado foi que ele fechou as portas pouco tempo depois, por estar atolado em dividas.

Lembre-se que ao empreender a formação correta de preços é item necessário, pois você pode até conhecer muito bem seu produto, entender todos os fatores relacionados ter muita afinidade com o negocio, de nada adianta vender milhões e não conseguir ter retorno financeiro, o tão desejado lucro, tudo por deixar de lado esse passo tão importante, não cabe aqui ensinar formas de formar preço, mas dizer da importância deste item para o sucesso de qualquer novo negocio.

Para acompanhar a sequencia de textos, aconselho voltar e ler a parte 01, bem como como todo o conteúdo de 05 coisas que você deve saber antes de empreender, disponível na pagina inicial.

Curta nossos artigos e compartilhes com seus amigos

One Reply to “FORMAR BEM O PREÇO DE VENDA PARTE 02”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com